TERAPIAS-ALVO

O melhor conhecimento da biologia molecular dos tumores nos últimos tempos, principalmente pela identificação de alterações genômicas ocorridas nos mesmos, permitiu a criação em laboratório, de medicamentos conhecidos como anticorpos monoclonais, capazes de atuar em alvos específicos da célula neoplásica e com isto impedir a duplicação  e morte da mesma.

Como exemplo podemos citar alguns casos de câncer de mama que tem o receptor de estrógeno positivo. Nestes casos quando o hormônio estrogênio se liga a este receptor celular, estimula-se a proliferação do tumor. Um medicamento alvo foi criado com a capacidade de se ligar ao receptor de estrógeno e impedir a ligação do estrógeno (hormônio sexual feminino), e com isto impedir a proliferação do tumor  pela morte celular.

Vários medicamentos foram criados para tratamento de alguns tumores com base neste principio de ação em alvos moleculares, como por exemplo, o GIST (tumor do estroma gastrointestinal), leucemia  mieloide crônica,  câncer de pulmão, colorretal e outros.

Estes medicamentos também podem ter efeitos colaterais importantes e  os tumores podem tornar-se resistentes  aos mesmos  por terem outros mecanismos de proliferação celular.